quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Educação Secundária no Québec: Dossier Completo!

Olá, Pessoal

Finalmente, depois de ter passado todas as perrengas que nós deveríamos ter passado, depois de ter aberto muitas portas por aqui, depois de ter levado chibatadas, açoites de tudo quanto é lado, de ser crucificado, veio a parte boa do negócio: nossos filhos adolescentes estarão no TROISIEME SECONDAIRE REGULIER em setembro de 2012. Bem, primeiro, se vocês quiserem dar uma olhada no background, podem consultar nossos posts anteriores sobre o assunto. Segundo, se preparem porque o post é longo:


O principal ponto é que não existem muitos casais de imigrantes brasileiros em nossa situação, o que tornou difícil nossa busca. A nossa situação é: casal de meia idade com filhos adolescentes. Todo mundo aqui é bem jovem sem filhos ou com filhos bebês ou muito pequenos, que ainda não entraram no primário, salvo raras exceções. Então, a gente não tinha pra onde correr. Outro ponto importante a saber: o ano letivo é de setembro a maio, e não de fevereiro a novembro, como no Brasil. Assim, às vezes um semestre de diferença pode ser ganho ou perdido. Mais um ponto: o seu filho será admitido no secundário conforme a idade. Normalmente a partir dos 11 anos as crianças vão para o primeiro ano secundário (secondaire), equivalente mais ou menos à sexta série. Agora, vamos à história toda, onde também quero explicar como as coisas funcionam:

A Escolha da Escola
A escola de seu filho SEMPRE será a escola de quartier, quando você chega no Québec. Esta escola é obrigada a aceitar o seu filho. Outras opções se abrem mais tarde. Por isso, você deve escolher o lugar que você vai morar conforme a escola do quartier. Para saber qual a escola do quartier, você pode consultar os sites das comissões escolares (veja links acima). Nós chegamos para morar em Ile-des-Soeurs, que é um lugar maravilhoso, mas a escola de quartier é a Monseigneur Richard, que é uma das piores da paróquia. Na admissão, basta levar os passaportes e o IMM1000, o papel marrom, seu e das crianças.

Classe d'Accueil:
Nossos filhos, com 14 anos, foram admitidos no secondaire. Todas as crianças imigrantes que vão para o secondaire são submetidas a um teste de francês antes de entrar no colégio. Conforme o nível do francês, elas serão obrigadas a fazer um curso de acolhida (Classe d'Accueil), onde todos aprenderão a falar francês. As crianças podem ficar até 3 anos no Accueil, conforme abaixo: 
  • Primeiro ano (débutant/iniciante): francês, matemática, educação artística, educação física;
  • Segundo ano (intermediare/intermediário): francês, matemática, ciências, educação artística, educação física
  • Terceiro ano (avancé/avançado): francês, matemática, estudos sociais, educação artística, educação física.
Nossos filhos entraram no débutant, obviamente, mas logo estavam falando francês como se sempre tivessem morado aqui. É impressionante como eles aprendem rápido. Não há preocupação quanto a isso. Nossa primeira preocupação foi: não havia lição de casa, vida meio folgada, etc. Logo fomos falar com a professora deles. Nossa primeira surpresa: normalmente os pais daqui não vão ao colégio falar com os professores. Ela se surpreendeu positivamente por cuidarmos de nossos filhos. Estávamos acostumados com o Brasil, onde uma vez por mês tinhamos audiência com a coordenadora de classe, etc. Nossa preocupação era: os coleguinhas deles do Brasil estavam agora na oitava série, ralando, estudando, e nossas crianças aqui na folga... Enfim. A professora nos convenceu de que o aprendizado de uma nova língua valia um ano "perdido", ou "investido". Ela contou a experiência dela e foi maravilhoso. Uma professora sensacional. Acabamos ficando tranquilos e montamos com ela nosso primeiro plano para as crianças. Ela disse que eles seriam aprovados para ir direto para o Accueil Avancé e em 1 ano iriam para o Regulier. Importante: ninguém estuda em escola inglesa, a não ser que sua língua materna seja o inglês ou mediante outros critérios de aceitação. Você pode, se quiser, consultar o Charter of the French Language, que é a lei sobre a proteção do idioma francês no Québec, capítulo VIII, especialmente o artigo 73. Então, se você vem para o Québec, a probabilidade maior é que seus filhos estudem em francês e aprendam o francês, apesar de o inglês ser ensinado como segunda língua, como no Brasil. No final das contas, as crianças falarão os dois idiomas sem dúvida, especialmente aqui em Montréal, onde o inglês é muito requisitado.
As Escolas Internacionais
Aqui no Québec há muitas escolas com o currículo montado conforme as normas do Baccarelaut International, e são por isso chamadas de Escolas Internacionais. Existem escolas internacionais públicas e privadas, e estas escolas não são de quartier. Sendo assim, elas não têm obrigação de aceitar o seu filho. Ele sempre terá de fazer exame, teste, lista de seleção, lista de espera, etc. Quando as crianças entraram no Accueil Avancé, o professor delas, em mais uma supreendente reunião com os pais (eles já estão se acostumando com isso, ehehe), nos recomendou que inscrevêssemos as crianças na École Mont Royal, uma escola internacional pública, de nossa comissão escolar, onde a sua filha estudava. E ficamos com a pulga atrás da orelha. Olhamos o ranking e a escola até que era boazinha... Mas percebemos que outras escolas internacionais públicas estavam melhores. Gostamos do College Saint-Louis, e também vimos outras escolas privadas nos sites... Começamos a sonhar com isso. Em meados de Set/Out 2011. E as crianças ralando no Avancé... até que chegou a hora das inscrições...

As Jornadas de Portas Abertas (Journées Portes-Ouvertes ou Open Doors)
Com o plano que os professores haviam feito, fomos atrás de buscar inscrições nas escolas que havíamos escolhodo. Entrando nos sites, todavia, descobrimos que não havia informação para o ano letivo corrente e que a gente deveria esperar o "Portes Ouvertes". C'est ça quoi??? Todas as escolas, colleges e universidades por aqui fazem um evento anual chamado "Portes Ouvertes". Este evento dura 1 ou alguns dias, normalmente é feito a partir do final de setembro e é nele que os próprios alunos fazem a apresentação de sua escola. É sensacional! Em muitas escolas, tivemos surpresas muito agradáveis e em outras, desagradáveis. Por exemplo, fomos ao College Beaubois, privado, lindo, parecia um castelo, onde fomos mal recebidos e direcionados para a fila de inscrições (só queriam as doletas). Havia muita coisa para ver, mas pouca gente disposta a explicar. Ao contrário, fomos ao College St-Louis, público, internacional, horrível, parecia uma prisão: chegamos lá, uma fila enorme que virava a quadra de gente simples, humilde, de tudo que é jeito. Então, os alunos apareceram com cestas de frutas para a gente comer. Quando entramos, havia palestra dada pela diretora a cada 10 minutos sobre o colégio e depois, visita guiada. Cada sala de aula era uma palestra sobre as disciplinas: francês, inglês, espanhol, matemática, ciências, estudos sociais, artes, educação física e até viagens internacionais! Tudo dado pelos próprios alunos. As crianças amaram. Não é a toa que é a melhor escola do Québec atualmente. Então, as escolas públicas e privadas aqui não parecem como no Brasil. Precisa haver critério para escolher. Outra conclusão importante: o calendário letivo: você vai nas portes ouvertes em set/out, escolhe matricular seu filho e paga normalmente até jan do outro ano e seu filho começa a estudar em set do outro ano. Então, nós visitamos as escolas em out 2011 para que nossos filhos começassem a estudar em set 2012, para o ano letivo 2012-2013. No Brasil, estamos acostumados a matricular nossos filhos em Nov/Dez para começarem a estudar em Fev do ano seguinte. Cuidado!

O Processo de Seleção
Aqui a gente encontrou mais uma barreira: as escolas do Québec somente possuem processo de seleção para admissão no Primeiro Ano do Secundário, correspondente à sexta-série no Brasil. Então, se seu filho tem 11 anos ou menos, tudo bem. Porém, se tem mais de 11, não há exame de admissão e o que ocorre é um processo de espera de vagas em aberto pelas crianças que deixam a escola. O que acontece é que os alunos do primeiro secundário, que são aprovados, vão para o segundo, abrindo assim as vagas do primeiro para o próximo ano, os do segundo para o terceiro, etc. etc. Então, se ninguém deixa o colégio em algum momento no ano, não há vagas, simplesmente. Com nossos filhos com 14 anos, simplesmente não sabíamos o que fazer. O tão sonhado College St-Louis simplesmente disse "liguem em março para saber se há vagas". Estamos esperando até agora. E não queríamos que nossos filhos continuassem na atual escola Monseigneur Richard. Algumas escolas privadas nos disseram que somente admitiam nossos filhos no primeiro secundário, onde todo mundo tem 11 anos e os nossos teriam quase 15! "Nós não conhecemos o currículo do Brasil e não podemos avaliar seu filho". A gente queria morrer... Então, entre nossas pesquisa, descobrimos a escola FACE, que aceitava crianças até o terceiro secundário, com currículo bom e também programa de belas-artes. Porém, ela não era da nossa comissão escolar, o que tornava as coisas bem mais difíceis... Em todo caso, fui no Portes-Ouvertes, com visitas guiadas, falei com o diretor da escola, que foi muito atencioso e pediu para que eu enviasse os envelopes de inscrição com os nomes das crianças, lembrando por escrito que eu havia falado com ele. Foi o que fiz, apesar de não ter gostado muito da escola, ela seria ideal para nós, pois fica bem no centro e a gente não precisaria se mudar, e ela estava muito bem conceitada no ranking e também tivemos ótimas referências de nossos amigos que têm alunos estudando no primário.

Mais Dificuldades, mas uma Luz no Fim do Túnel
Falando com o pessoal de nossa Igreja, descobri uma senhora da comissão escolar de Montréal (CSDM) que poderia me ajudar. Fui até o prédio da comissão escolar pessoalmente e falei com ela, expliquei o problema, ela ficou surpresa, então, ela me disse que para nossos filhos serem admitidos em escolas da CSDM eu teria de ter um acordo extraterritorial, onde nossa atual comissão escolar Marguerite Bourgeoys (CSMB) aceitaria que nossos filhos fossem transferidos para a CSDM. Ela disse também que seria impossível que isso acontecesse caso a CSMB oferecesse o mesmo programa que queríamos na outra comissão escolar. Então, ela me indicou a escola Pierre Laporte, da CSMB, que oferecia um programa musical. Liguei lá na sexta e adivinhem! O Portes-Ouvertes era no dia seguinte: fui com a Cris e ficamos apaixonados pela escola: pública, com programa musical, vários estudos com pianos, aula de bateria, violão, esportes, etc. Inscrevemos as crianças para o teste. Eles fizeram e passaram! Então, fiz a matrícula, paguei, e estava tudo resolvido. Porém, a logística estava difícil. Eles teríam de pegar 2 ônibus e 3 metrôs para chegarem à escola. Então, estávamos decididos a mudar no meio deste ano para um local próximo à escola. E a região lá se chama Ville Mont Royal e é caríssima... poderíamos morar perto, talvez... não sei. O importante é que as crianças já estavam aceitas para o terceiro secondaire. Isso significa que eles perderiam meio ano, por conta do ano iniciar em Setembro e não em janeiro. No final das contas, eu havia inscrito as crianças também na FACE, por via das dúvidas, para ter mais uma opção, porém, com poucas esperanças de aprovação, já que eles eram de outra comissão escolar.

Finalmente, um Final Feliz
Então, não sei como, enquanto estávamos no Brasil, recebemos uma carta dizendo que um de nossos filhos havia sido aprovado na FACE! E esta escola é bem no centro de Montréal, a uma quadra do metrô e do ponto final do ônibus que sai daqui de casa... Sem dúvida, achamos sensacional, pois não precisaríamos nos mudar!!! Fui lá e briguei para que as duas crianças fossem aprovadas. Eles se lembraram de mim e concederam que os dois entrassem. Então, solicitei à CSMB o entente extraterritoriale, autorizando as crianças a estudar em outra comissão escolar, e fui super bem atendido e a atendente falou que para a FACE não havia dúvidas que o acordo seria concedido, visto que o programa de belas-artes deles não é ofertado pela CSMB. Então, já estou aguardando o acordo e tenho a confirmação de que as crianças foram aceitas na segunda escola. Agora, estou mais certo ainda de que tudo estará bem para 2012 e que em setembro eles iniciarão no regular e no terceiro ano do secundário. Isso será um grande desafio para eles, pois não haverá mais o professor do Accueil para corrigir o francês incorreto, ter paciência, etc. Mas confio muito nas crianças e eles têm demonstrado imensa dedicação aos estudos e um progresso enorme. Não estou preocupado. Além disso, o professor está cobrando deles um conteúdo muito além do exigido pelo terceiro secondaire. Então, a expectativa é que as coisas fiquem mais fáceis depois no regular.

Nota incluída em 07/03/2012: o final nao foi tao feliz assim: a CSDM rejeitou o acordo de transferência dizendo que nao aceita transferências de alunos oriundos da Classe d'Accueil. Teremos que esperar até o final do ano letivo (Jun), quando eles serao aprovados para o regular e solicitar nova transferência que, segundo a própria CSDM informou por telefone, será aprovada.
Ufa!!! Desculpem o post gigantesco, mas ele resume tudo o que passamos com as crianças para colocá-las no secundário aqui em Montréal. Agora, já sabemos o caminho das pedras e podemos ajudar quem quiser vir.

E continuamos seguindo com passos firmes de quem sabe onde quer chegar!

Forte abraço a todos

Thiago e o Inverno....

Olá, Pessoal

Seguindo nossa série "Animais do Ártico", segue mais um típico urso polar québecóis:


Essas foram tiradas depois da missa, no último domingo de manhã...
E vamos seguind com patas firmes de quem sabe onde quer chegar...

Abração e a Paz

domingo, 15 de janeiro de 2012

Finalmente, o Inverno Chegou!!!

Olha só:

Eu tinha escrito há um tempo atrás, antes de nossa viagem ao Brasil, que estávamos felizes pela primeira neve ter caído antes de nossa viagem... Mas quando chegamos de volta do Brasil, não havia neve em Toronto e em Montréal, uma neve ralinha, magra.... Nesta semana, houve no entanto vários dias de neve intensa por aqui e finalmente estamos com Montréal com a cara que ela estava no ano passado. Tudo branquinho. E muito frio mesmo. Agora no final de semana estamos com -17º, chegando a -30º à noite, e a sensação térmica (feels like/refroidissement éolien) chega pra lá dos -35º. Obviamente, o manezão aqui tem que sair para correr à noite, com a neve cortando a cara da gente... então, o sorriso na foto não é de alegria não, é que a cara do caboclo congelou nessa posição e não dava mais pra mexer... Com a neve cortando a cara da gente e um ventão, e 5 a 10 cm de neve no chão, dá pra fazer no máximo 5min20sec/km na corrida. Mas ainda assim, é melhor que ficar em casa.
Coloco aí dois vídeos de uma caminhada que fiz no centro para levar a documentação das crianças em uma escola onde foram aprovados, para todos terem uma idéia de como a coisa está legal. E as motoniveladoras estão trabalhando o dia inteiro. Aqui na frente de casa tem uma montanha de neve que aumenta a cada dia, pois as máquinas tiram a neve das ruas e vão empilhando em cima do morro. E quem mais se diverte é a gurizada, que no outro dia de manhã fica escorregando de cima do morro.... ehehe. Porém, no final das contas, é cada um por si em relação à tirar a neve de frente de sua casa, como vocês poderão ver no vídeo...
E vamos seguindo com passos firmes de quem sabe onde quer chegar!!!
Abração e a Paz a todos!

video


video