sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Socorro! Tenho que ir pro Pronto-Socorro!

Oie Galera,

Estamos neste momento aqui no Hôpital Général de Montréal para tratar um problema de saúde e estamos sentindo na pele o que é ter que enfrentar a emergência de um hospital público no Québec. Estamos já há 12h aqui esperando o resultado de um exame e ainda tem mais um para ser feito. Junto conosco estão várias pessoas, muitas com problemas muito mais graves do que o nosso e também com mais idade. Todos têm que ficar do mesmo jeito aguardando na sala de espera sem nenhuma informação ou satisfação sobre os seus problemas. O sistema de saúde é realmente difícil de engolir e nos sentimos verdadeiramente desrespeitados hoje. Já sabemos que ir para a emergência de um hospital aqui é ter que passar várias horas esperando, mas nunca havíamos presenciado na pele uma espera tão grande sem nenhuma informação.

Algumas pessoas com quem estamos conversando nos disseram que cada hospital tem a sua fila de espera diferente e que tudo depende da prioridade que ganhamos na triagem. Fomos encaminhados para este hospital pelo nosso médico de família, mas realmente tá difícil. E o pior é que estamos desconfiados que os caras não estão examinando o real problema que viemos verificar. Assim, teremos que ficar esperando um tempão para não sair com a informação que precisávamos. Isso vai ser dureza... Dá vontade de cair fora, mas precisamos do diagnóstico, enfim... Nessas horas realmente temos saudade do sistema de saúde (privado) que tínhamos no Brasil. Entendo que não dá pra comparar laranjas com bananas, mas que dá saudades, dá...

E vamos seguindo com passos firmes de quem sabe onde quer chegar!

Abração e a Paz

Igor Schultz

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Manifestação Contra a Charte des Valeurs Québécoise

Allo, Povo de Deus,

Já havíamos publicado um post anterior falando sobre a chamada Charte des Valeurs do Québec, que tenta criar uma identidade quebequense, identidade esta que passa pela neutralidade religiosa e que entre seus estatutos prevê a proibição da ostentação de símbolos religiosos para os empregados de funções públicas da província. Este é o ponto mais polêmico, pois desde enfermeiros, professores, servidores públicos, servidores nas creches públicas e privadas com subvenção da província, todos deveriam se submeter a este estatuto. O impacto imediato é que os funcionários judeus e muçulmanos, principalmente, mas porquê não os cristãos, teriam de se apresentar ao serviço sem as vestimentas religiosas, como o véu das mulheres e a kippa dos judeus.
 
Bem, a semana passada finalmente o ministro Bernard Drainville (Parti Québecois) apresentou a dita carta de valores para votação na assembléia nacional (diga-se: do Québec), e houve bastante discussão e polêmica durante a semana, pois afinal revelou-se o que realmente está previsto e que até agora era somente suposição. Enfim, tudo o que era suposição realmente está previsto na Charte de Valeurs, sem trocadilho.
 
Na região de Montréal, 15 prefeituras de Montréal e região metropolitana se declararam contra a carta de valores, sendo que os três candidatos à prefeitura de Montréal já falaram que, se forem eleitos, vão também rejeitar a dita carta. Os políticos da ilha de Montréal julgam que a carta desconhece completamente a realidade da região, onde existem muitos e muitos imigrantes. Só para se ter uma idéia, 29 mil pessoas trabalham para o governo e seriam afetadas diretamente. As gardiennes (que cuidam das crianças nas creches) muçulmanas estão prontas para largar o emprego imediatamente se forem obrigadas a trabalhar sem os véus tradicionais de sua religião.
 
Mesmo dentro do próprio PQ existem já divergências sobre a carta. A deputada pequista de Ahunstic (região ao norte da ilha de Montréal) assinou um document chamado "Coletivo dos Independentes por um Estado Laico Inclusivo" (tradução livre), e saiu criticando a carta de valores na TV. Foi expulsa do partido, gerando acusações de despotismo e autoritarismo ao governo de Pauline Marois, a primeira ministra do QC.
 
No sábado passado, mais de 20 mil pessoas de várias religiões saíram às ruas para protestar contra a Charte de Valeurs, principalmente muçulmanos e judeus mas também católicos e outras crenças cristãs. Colocamos um vídeo abaixo que fala da manifestação ocorrida. Basicamente, o povo diz que se a carta de valores for aprovada, caem fora da província.
 
Bem... o que pensar sobre isso? Existem muitas opiniões circulando e o pessoal não gosta muito de falar do assunto, mas eu vejo aqui dois pontos importantes à pensar sobre esta questão, não esquecendo que nós, os autores do blog, somos cristãos católicos:
  1. O governo ultrapassou um limite de liberdade individual das pessoas para favorecer o chamado Estado Laico. Se pensarmos eticamente, qual é o valor maior, mesmo deixando a religião de lado? A liberdade de expressão das pessoas ou a identidade de uma nação? Creio que a identidade de uma nação é feita à partir da identidade das pessoas. Isso aconteceu no Brasil: recebemos diversos imigrantes no passado e a nossa identidade hoje é formada pela mistura de todos eles. Assim, somos uma cultura resultante da contribuição deles. E que tal se houvéssemos proibido estas manifestações na época? Portanto, se o valor maior é a identidade individual, que inclu as crenças religiosas, o governo não pode interferir nesta questão, até porque eles continuam chamando os imigrantes para povoar e trazer renda para a província.
  2.  
  3. O fato de se usar ou não uma vestimenta ou símbolo religioso não modifica o que está na cabeça das pessoas. Isso foi tema de uma coluna de opinião de um jornal local desta semana e eu concordo plenamente. A própria pessoa é por ela mesma um símbolo religioso e isso não muda por causa da ostentação de um símbolo ou vestimenta. Se o governo pensa desta forma, ele está assumindo uma postura claramente preconceituosa e pode ver seu projeto da carta de valores ser rejeitado categoricamente na assembléia. Além disso, por experiência própria, não é possível separar a religião de uma pessoa. Ela não tem como ser religiosa só em seu "templo de pedra" e Deus nos convida a estarmos no mundo... não temos opção e creio que as pessoas de outras religiões também não tem.
  4.  
  5. Sobre o lado político, a carta não parece demonstrar uma atitude inteligente do Parti Québecois, que tem minoria na assembléia, pois tinha 5 deputados e expulsou uma e agora ficou com 4. Os outros partidos estão aproveitando para rechaçar o governo. As outras províncias, como Ontario, já estão fazendo publicidade em Montréal para atrair gente para lá. Eles mostram uma foto de uma enfermeira usando o véu muçulmando e dizendo que "não ligam para o que você usa em volta da cabeça, mas sim o que você tem lá dentro".
Porém, não podemos esquecer que os políticos aqui vão atrás dos votos, como em qualquer lugar, e uma pesquisa independente no início das discussões mostrou que 51% dos habitantes da província apoiariam a carta tal qual. Então, vamos aguardar o resultado da votação torcendo para que a liberdade individual de cada um seja respeitada.
 
E vamos seguindo com passos firmes e ostentando nossa religiosidade, de quem sabe onde quer chegar!
 
Abração e a Paz
Igor Schultz



domingo, 15 de setembro de 2013

Energizer Night Race 2013


Olá Pessoal!

Faz um tempão que não aparece em nosso blog um vídeo de corrida. Isto aconteceu porque este ano eu defini apenas três metas de corrida: a Meia-Maratona do Banque Scotia (acabou sendo a meia de Chateauguay, pois perdi a inscrição da outra), a Energizer 10km e a Maratona de Montréal (semana que vem. Assim, passei o ano inteiro treinando para estas provas, e finalmente ontem foi a prova da Energizer.

Esta corrida não passa de uma prova de 10km mas o grande lance é que ela é feita toda à noite no parque Jean Drapeau e cada um ilumina a trilha à sua frente com lâmpadas que a gente ganha no kit de corrida. Normalmente tem vários artistas de circo fazendo performances durante a prova, mas este ano, infelizmente, ninguém apareceu....

Mas vamos à prova. Largamos por volta das 19h30 hora local e com um friozinho de uns 10 graus, para duas voltas no parque. Na saída já tinha bastante descida e depois pegamos a trilha de terra. A prova de 5km largou uns 5 minutos antes, mas em 2 ou 3 curvas já estávamos passando os últimos colocados desta categoria. Depois passamos pela estação de metrô e seguimos para passar sob a ponte de la Concorde, em uma trilha de terra de mais ou menos 1km beirando o Fleuve St Laurent. Depois, 1km de subida até à linha de largada, para mais uma volta.
 
Na segunda volta, o pessoal de 5km termina sua corrida e então fica bem menos gente na trilha. Segui junto com um outro cara até a subida. Faltando uns 200m falei pro cara pra disparar até a chegada e a gente disparou, mas o cara não conseguiu correr e acabei chegando antes dele, para fechar meu tempo mais rápido nos 5km na vida!!! 45'34'' Nem esperava! Fiquei em 37o lugar entre 629 corredores, e sétimo em minha categoria... Viva a minha barriga!!! Foi a barrigada mais rápida da cidade... Bem, no final tinha até uma lata de cerveja no kit de comida... foi toda....
 
E vamos seguindo com passos firmes e rápidos, de quem sabe onde quer chegar!
 
Abração e a Paz
Igor Schultz

 
video