domingo, 15 de março de 2009

Incertezas - Capítulo I

Olá gente,

Vocês devem ter percebido que há muito tempo não escrevo, isso pq temos passado por um período de incertezas o que tem nos deixado bastante desmotivados.

Há muitas coisas que aconteceram nestes últimos dias, então vou contar aos poucos. Este post é o Capítulo I - Incertezas.

Depois de tantos desencontros com o processo Federal resolvemos conversar com um casal amigos nossos que estão indo para Quebéc agora em abril. Olha eles na foto acima. São nossos amigos que procuramos para ter uma conversa pra ver se nos animávamos quanto ao processo de imigração.

Não deu outra. A Marcia é uma pessoa entusiasta por natureza e o Klenisson, mais racional, porém um sonhador capaz de, junto com o entusiasmo da esposa, transformar sonho em realidade.Tudo o que todos nós queremos fazer.

Então, vou contar o que eles fizeram conosco depois desta conversa:

1 - Nos contaram td sobre a história deles. Infelizmente eles não tem blog, por isso cada um que pergunta eles falam toda história,etc,etc. Mas td bem, vejo que pra eles isso não é problema.

2 - Eles entraram com o processo por Quebéc, pois perceberam que era muito mais rápido, ainda que tivessem que aprender Francês a toque de caixa;

3 - Nós contamos nossa pequena história a eles, não deu outra, ficaram indignados com toda confusão que está pra entrar com o processo Federal, justamente por conta do pagamento. A Marcia mais do que depressa fez a gente pensar em entrar com o processo por Quebéc.

3 - No mesmo dia em que nos encontramos fizemos várias simulações pra ver se eu e o Igor seríamos elegíveis para imigrar por Quebéc.

4 - O processo é diferente, eles não focam as profissões em demanda (apesar disso pontuar), mas o 1º ponto é a idade. De cara batemos na trave, pois o Igor sendo aplicante principal nossas chances diminuiriam, pois ele está fora da faixa etária máxima (36 anos). Para que conseguíssemos ter alguma chance teríamos que comprovar fluência em francês com nível mínimo intermediário. Para o Igor, que é um superdotado não seria nenhum problema, mas pra mim, hum, conseguir fluência em Francês em apenas 10 meses seria quase um milagre.

5 - Bem outra alternativa seria eu ser aplicante principal, o que aumentaria as chances, não necessariamente precisaria comprovar um nível tão alto.

6 - Depois dessa conversa que tivemos com eles e as simulações resolvemos estudar melhor a possibilidade de entrar com o processo através da província de Quebéc.

O que decidimos? Hummmm.......

Vou contar no próximo post (Capitulo II - As incertezas).

Enquanto isso seguimos em frente com passos firmes de quem sabe onde quer chegar....

5 comentários:

GisaFreitag disse...

Oi!
Eu também iria aplicar pelo federal, mas agora já estou com quase tudo pronto para mandar por Quebec mesmo. Tenho a vantagem de já falar francês, mas mudei para não ter que ficar esperando o consulado decidir como poderemos pagar a taxa.
Boa sorte nos estudos!

aos40 disse...

Ola,
é uma saída ne...se tem a pontuação de idade....
Quanto ao frances.. é por entrevista ne...e X horas de comprovação de estudo do Frances...acho q fica mais facil q IELTS nao?
boa sorte pra vcs!!!!!!!!!!!

Marcio e Leudia Barros disse...

Queridos

Olha, o francês falado é mais rápido de aprender que o inglês. Observe que a fonética é muito similiar a do português. Quantas horas vocês irão precisar para comprovar?

Abraços

César, Valéria, Lara e Anaclara disse...

O importante é que qualquer que seja a decisão, será o melhor pra vocês.

E a vida segue...

Temperatura Máxima no Canadá disse...

Olá!!!!

Estou gostando dessa idéia de vcs aplicarem pelo processo de Quebéc é muito interessante mesmo!!!

Mas vcs viram como estão sendo rápidos os processos novos do federal? Tanto Quebéc, qto o processo novo estão a todo vapor.

Vale a pena investir nos dois processos, estudem francês para aplicarem por Quebéc (estudo nunca é perdido), mas não descartem a idéia do processo federal. Assim aquele que for mais fácil aplicar primeiro vcs aplicam...

Continuamos na super torcida. Fiquem com Deus!!!

Bjão,

Rosi